+351 210 001 617 (Lisboa) | +351 289 098 720 (Faro)

Volume de negócios no setor Indústria cresceu 5,8% em junho

O mês de junho marcou um aumento nos índices de vendas com destino ao mercado nacional e externo e um aumento nas exportações e importações de 8,6% e 18,1%, respetivamente.

 

Indústria cresce 5,8%

O Índice de Volume de Negócios no setor Indústria aumentou 5,8% em junho, +1,3% do que o registado no mês anterior.

Os índices de vendas com destino ao mercado nacional e ao mercado externo aumentaram 4,4% e 7,6% em junho, comparativamente a maio que registou aumentos de 2,5% e 7,4%.

No 2.º trimestre de 2018, as vendas na indústria aumentaram 7,6% face ao trimestre equivalente de 2017 (3,2% no trimestre anterior).

O agrupamento de Bens de Investimento deu o maior contributo para a variação do índice total, 2,9 p.p., em resultado de um crescimento de 19,1% (16,6% no mês anterior).

 

Exportações crescem 8,6%

Junho marcou também crescimentos nas exportações e importações de bens que registaram variações homólogas nominais de +8,6% e +18,1%, respetivamente, acelerando ambas face ao mês anterior (+6,2% e +0,6%, em maio de 2018, pela mesma ordem)

Em termos das variações homólogas mensais, as exportações cresceram 8,6% (+6,2% em maio de 2018).

Todas as grandes categorias económicas registaram acréscimos nas exportações em junho, com destaque para o Material de transporte (+26,2%) e Combustíveis e lubrificantes (+36,9%), comparando ao mesmo mês em 2017.

Nas importações, a quase totalidade das grandes categorias económicas registou acréscimos, tendo os Combustíveis e lubrificantes atingido o maior aumento (correspondente a +92,8%), essencialmente devido à importação de produtos primários no comércio Extra-UE.

Tendo em conta os principais países de destino em 2017, o passado mês de junho registou crescimentos, face ao mês homólogo de 2017, nas exportações para Espanha, Alemanha e França (+7,6%, +15,9% e +7,9%, respetivamente).

Em relação aos principais fornecedores em 2017, em junho de 2018 registaram-se aumentos na totalidade dos países, exceto nas importações originárias do Brasil que diminuíram 58,9% em termos homólogos. As importações da Alemanha e Espanha tiveram os aumentos mais expressivos (+19,5% e +5,3% respetivamente).

FONTE: INE